arte
 

Rui Aguiar


1944

biografia

Nasceu no Porto. Licenciou-se em Engenharia Química-Industrial. Entre 1971 e 1973 prestou serviço na Marinha, nos Açores. Ligado à actividade cultural açoriana foi um dos sócios fundadores da galeria Teia e force impulsionador das galerias Degrau (Terceira) e Francisco Lacerda (S. Jorge). Expõe regularmente desde 1972, em mostras individuais e colectivas. De 1988 a 1989 desenvolveu uma investigação plástica como bolseiro da Fundação Gulbenkian. Está resepresentado em diversas colecções e museus, nomeadamente a Wassenhoven Coilection - Bruges; Laiit Kala Akademi - Nova Deli; Museu do Desenho de Estremoz; Secretaria de Estado da Cultura - Porto; Câmara Municipal de Matosinhos; Museu de Arte Contemporânea - Fundação de Serralves; Colecção da Caixa Geral de Depósitos; Centro de Arte Moderna ? Fundação Calouste Gulbenkian. Participou em mais de uma centena de exposições colectivas e rói premiado várias vezes. A sua actividade artística não se esgota na pintura. Iniciou-se como cenógrafo em 1983, com o Pé de Vento, companhia a que esteve ligado durante mais de dez anos. Colaborou ainda com os grupos Kallandraca (Galiza), Théâtre Poéme (Bruxelas) e o Bando (Lisboa). No campo da ilustração, o seu nome surge essencialmente associado à editora Afrontamento, onde criou e colaborou na colecção de poesia, desde 1979.
A obra de Rui Aguiar é marcada, como salientou Joaquim Matos Chaves, pela investigação de materiais usados em bruto, oriundos de outras áreas de actividade. Para lá de um trabalho de colagem, a estruturação das peças a partir de linhas e outros elementos geométricos, é notória na sua obra. O despojamento e a contenção podem considerar-se outras características de um trabalho cuja abordagem é pouco facilitada.
EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS:
1972 - Desenhos e (colagens e Pinturas, Ponta Delgada, Cooperativa Sextante. 1973 - Objectos e Colagens, Angra do Heroísmo, Galeria Degrau. 1979 - Colagens de Rui Aguiar, Lisboa, Galeria Opinião. 1980 - Colagens de Rui Aguiar, Porto, Cooperativa Árvore. 1981- Colagens, Lisboa, Casa da Comuna. 1982 - Rui Aguiar, Porto, Galeria JN - Terra Sigillata ? Acfueologia de um poema Intervenção Plástica sobre um manuscrito de Mário Cláudio, Porto, Cooperativa Arvore. 1983 - Rui Aguiar, Lisboa, S.N.B.A. 1984 - Rui Aguiar, Matosinhos, Salão do Turismo, Casa de Chá da Boa Nova. - Pinturas e Colagens, Vila Nova de Cerveira, Galeria da Pousada de D. Dinis. - Pinturas e Colagens, Viana do Castelo, Galeria Barca d'Artes. 1985 - Porto, Galeria Roma e Pavia. - Lisboa, Clube 50 Espaço A. 1987 - Fragmentos de Paisagem (Pintura e Instalarão) Rui Aguiar, Porto, Cooperariva Arvore. 1988 - Para uma reinvenção da paisagem. Porto, Galeria Nasoni. - Para uma reinnnção díi paisagem, Matosinhos, Galeria Augusto Gomes. 1990 - Rui Aguiar - Trabalhos de 1988/89, Porto, Cooperativa Árvore. - Rui Aguiar, Porto, Galeria Quadrado Azul. - Rui Aguiar - Trabalhos de 1988/89, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.1991 - Trabalhos de 1988/89, Bruxelas, Galerie Dobras Bical. - Rui Aguiar, Ribeira Grande, Pontilha Associação Cultural da Ribeira Grande. 1992 - Porto, Cooperativa Árvore. 1993 - Porto, Galeria Quadrado Azul. 1994 - Açoriana, Bruxelas, Galerie Debras Bical. - Açoriana, Bruges, Galeria Amphora Finippon. - Navegando para Sul, Porto, Galeria Por Amor à Arte. 1995 - A Ceia, Porto, Cooperativa Árvore. 1996 - Circularidade, 88-89, Porco, Minimal Arte Contemporânea. 1998 - Rai Timor e Outros Avistamentos, Vila Nova de Cerveira, Galeria Projecto. 1999 - Trinta Outubros de Guerra, Vila Real - Arquivo Distrital, Mirandela - Museu Municipal Armindo Teixeira Lopes, Porto - Casa das Artes. 2000 - Derivadas da Figura em ordem à Paisagem, Porto, Galeria Por Amor à Arte. - Derivadas da Paisagem em ordem à Figura, Porto, Cooperativa Árvore. 2001 - Rui Aguiar, Porto, Galeria Dário Ramos.