arte
 

Martins Correia


1910-1999

biografia

Nasceu na Golegã. Foi aluno da Casa Pia (onde descobriu a sua inclinação para o desenho) e licenciou-se em Escultura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Iniciou a sua actividade de professor na década de trinta nas Caldas da Rainha , tendo sido docente na Escola Rafael Bordalo Pinheiro após ter terminado o curso nas Belas Artes em Lisboa, onde também leccionou. Revelou-se como artista em 1940, por ocasião da Exposição do Mundo Português. Foi membro do Conselho de Arte e Arqueologia da Câmara Municipal de Lisboa e vogal honorífico da Academia Nacional de Belas Artes de Lisboa. As suas peças mais representativas são esculturas, as quais estão espalhadas por diversas cidades nacionais e estrangeiras, encontrando-se a sua vasta obra distribuída por colecções públicas e particulares. Assinou diversas estátuas e bustos, nomeadamente, de Luís de Camões, em Goa, e de Frei Bartolomeu de Gusmão, em Tóquio, destacando-se das suas obras monumentais estátuas em Castelo Branco, em frente da Biblioteca Nacional, em Lisboa, ou no Tribunal de Leiria, além da passarola do aeroporto de Lisboa. No Brasil este autor encontra-se representado com a estátua "Nó do Mar" (Rio de Janeiro), que evoca os laços que unem os dois povos. Além da escultura, dedicou-se à pintura, ao desenho, à serigrafia e à azulejaria. Nesta área efectuou, já com uma idade bastante avançada, dois grandes projectos para painéis de azulejos em Lisboa: estação "Picoas", do Metropolitano de Lisboa e Torre Vasco da Gama, no Parque das Nações (tríptico: "A Partida", "A Aventura e "A Chegada"). Nos anos 80, doou à Golegã o seu vasto espólio, o que deu origem ao Museu Martins Correia.
"As muitas cores do azulejo", Galeria Ogiva, Óbidos, 1992; Exposição colectiva de pintura, desenho e escultura "Diversidades... Com Mestre", Centro Municipal de Cultura de Castelo de Vide, 1998; Exposição de Escultura e Desenho, integrada no SIMPETRA - VII Simpósio Internacional de Escultura em Pedra das Caldas da Rainha, Galeria Municipal Osíris, Caldas da Rainha, 1998; "Homenagem a Alves Redol e Martins Correia", Livraria-Galeria Municipal Verney, Oeiras, 2000.
Prémios da Sociedade Nacional de Belas Artes, Academia de Belas Artes, Diário de Notícias, etc. e das ordens honoríficas destacam-se a Ordem de Instrução Pública - Grau Oficial e a Ordem de Santiago de Espada - Grau Oficial.